domingo, 28 de setembro de 2014

Indústria de refrigerantes promete reduzir calorias

No final do mês de setembro de 2014, as três maiores indústrias de refrigerantes dos Estados Unidos (Coca-Cola Co, PepsiCo Inc e Dr. Pepper Snapple Group Inc) anunciaram que pretendem reduzir em até 20% a quantidade de calorias dos seus produtos até o ano de 2025. Segundo as empresas, a ideia é oferecer opções de bebidas com menor densidade calórica e campanhas educativas para que a população possa fazer melhores escolhas.
Apesar da meta estar aquém do esperado, em níveis populacionais, através de pequenas mudanças já conseguimos grandes impactos.
Aguardemos políticas assim para o Brasil também!
Fonte: Medscape


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Mestre em Endocrinologia
CREMERS 30.576

domingo, 21 de setembro de 2014

Malefícios da dieta sem glúten

A exclusão completa de nutrientes da dieta é algo que pode trazer mais prejuízos que benefícios à saúde. O glúten, proteína encontrada em cereais como trigo, aveia e cevada, vem sendo incorretamente incriminado por problemas como obesidade e excluído do cardápio de muita gente que não precisaria restringi-lo. Doença celíaca, sensibilidade não celíaca ao glúten e alergia são pouco frequentes e devem ser devidamente diagnosticadas por um médico antes que se indique uma dieta livre de glúten. Pessoas que eliminam as fontes de glúten por conta própria podem ter impacto negativo no aporte energético, de fibras e de vitaminas do complexo B.
Desde que os supostos malefícios do glúten começaram a ser bradados aos quatro ventos em 2010, as empresas que vendem alimentos "glúten-free" vem apresentando expansão de 30 a 40% ao ano. Nos Estados Unidos o setor já movimenta 5 bilhões de dólares por ano! Interessante, não? Ao que parece, tem gente ganhando muito dinheiro vendendo alimentos supostamente mais saudáveis a quem não precisaria consumi-los se não pertencesse a cerca de 1% da população que realmente tem intolerância ao glúten. Pense nisso quando for trocar seu pãozinho integral de custo acessível pelo alimento glúten-free bem mais caro.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Mestre em Endocrinologia
CREMERS 30.576

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Potássio para baixar a pressão

Tão importante quando reduzir a ingestão de sódio é aumentar o consumo de potássio. Segundo a Organização Mundial da Saúde, deveríamos consumir cerca de 4,7 gramas de potássio por dia, contudo, a média do brasileiro é de apenas 2,3 gramas. Uma extensa revisão publicada em 2013 na revista BMJ mostrou que aumentar o consumo de potássio é capaz de reduzir tanto a pressão sistólica quanto a diastólica em pacientes hipertensos e consequentemente o risco de isquemias (AVCs).
Mas em quais alimentos encontramos o potássio? Nas frutas e vegetais, principalmente.

Segue uma lista de 10 alimentos ricos em potássio.

1- Manga palmer - 785 mg por unidade
2- Extrato de tomate - 680 mg por 100 g
3- Banana-nanica - 564 mg por unidade
4- Milho - 555 mg por espiga
5- Romã - 485 mg por unidade
6- Mamão papaia - 352 mg por unidade
7- Goiaba - 336 mg por unidade
8- Água de coco - 324 mg por copo de 200 mL
9- Aveia em flocos -216 mg por 3 colheres de sopa
10- Abacate - 206 mg em 1/4 de unidade

Fontes: Medscape e revista Saúde É Vital

Para mais dicas de como "domar" suas pressão arterial, leia o link a seguir.

http://drmateusendocrino.blogspot.com.br/2014/06/mudancas-no-estilo-de-vida-para-baixar.html


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Mestre em Endocrinologia
CREMERS 30.576

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Adoçantes podem estar associados a aumento da glicose

Pode parecer contraditório a primeira vista, mas estudo publicado recentemente na revista Nature, uma das publicações científicas mais respeitadas do mundo, apresentou dados que põem aspartame, sucralose e sacarina no banco dos réus. "Nós percebemos que os adoçantes artificiais podem causar aumento dos níveis de açúcar no sangue, coisa que queremos prevenir quando os consumimos", afirmou o pesquisador israelense Eran Elinav, que participou do estudo.
Aparentemente os adoçantes alteram a flora intestinal, isto é, propiciam que bactérias deletérias se proliferem dentro do intestino. Estes microrganismos participam da digestão fornecendo calorias extras através de ácidos graxos de cadeias curtas. Isto pode culminar em níveis elevados de açúcar no sangue.
Como os resultados são preliminares e em modelos, estudos maiores realizados em seres humanos precisam ser conduzidos antes que se possa dizer que não devemos consumir adoçantes. De qualquer forma, fica o alerta, já que outros estudos mostraram que o consumo regular de refrigerantes mesmo nas versões diet, light ou zero está associado a aumento no risco de se desenvolver diabetes.
Fonte: Medscape


Para mais informações, clique no link a seguir:
http://drmateusendocrino.com/nutricao/82-refrigerantes-inclusive-sem-adicao-de-acucar-podem-aumentar-o-risco-de-diabetes.html


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Mestre em Endocrinologia
CREMERS 30.576

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Workshop de Saúde e Bem-estar 2014 Coca-Cola: impressões sobre o evento

No último final de semana do mês de agosto/2014, foi realizado na cidade de Búzios/RJ evento promovido pela Coca-Cola Brasil para profissionais da saúde. Durante três dias, houve intensa troca de informações e aprendizado de ambos os lados. Pode parecer esquisito um médico endocrinologista em evento sobre refrigerantes, mas na ciência e na vida temos sempre que estar dispostos a ouvir as mais diversas opiniões. É assim que se aprende e é assim que se cresce.
Além de médicos, participaram nutricionistas, educadores físicos, especialistas em produção de alimentos, odontólogos. A Coca-Cola mostrou como desenvolve seus produtos, desde a produção até distribuição; explicou como é sua política de marketing; esclareceu dúvidas sobre adoçantes e outros aditivos alimentares; além de mostrar-se preocupada com a epidemia de obesidade e sedentarismo em que vivemos. Ao final de cada ciclo de palestras, a empresa fez questão de ouvir as opiniões e sugestões dos profissionais de saúde que participavam.
Além disso, como estratégia para mostrar a importância de uma vida ativa, fomos incentivados a participar de diversos exercícios físicos, sempre supervisionados por educadores capacitados.
O balanço geral foi muito positivo, contudo algumas coisas não podem ser negadas...
Apesar da demonstração da segurança dos aditivos e processo produtivo eficiente, diferentes estudos de grande porte associam o consumo regular de refrigerantes e de outras bebidas como sucos e isotônicos à obesidade e ao diabetes mellitus. Por exemplo, segundo estudo publicado em 2012 na revista médica NEJM por Qi e colaboradores, consumo tão baixo quanto uma a quatro porções de refrigerante por mês (!!!) já está associado com aumento de peso principalmente em indivíduos predispostos. Logo, a Medicina ainda acha que os refrigerantes tem muito pouco espaço dentro de uma alimentação equilibrada e que devem permanecer no banco dos réus até que se prove o contrário.
Um fato marcante do evento foi a fala de um dos representantes da Coca-Cola quando questionado sobre a possibilidade de redução de açúcar em alguns produtos. Segundo o mesmo, quem determina a quantidade de açúcar é o consumidor. A empresa fabrica o que as pessoas querem consumir. O que infelizmente é verdade. Outro ponto interessante é o portfólio imenso de produtos da Coca-Cola e a capacidade enorme para desenvolvimento de novos produtos. Isso quer dizer que a indústria de bebidas pode produzir opções mais saudáveis, desde que existam consumidores para comprá-los. Pense nisso!


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Mestre em Endocrinologia
CREMERS 30.576