domingo, 21 de dezembro de 2014

Teste do monofilamento e pé diabético

Na avaliação dos pés do paciente diabético, usamos um monofilamento de 10 gramas para testar a sensibilidade à pressão em 12 pontos (6 em cada pé), onde mais comumente ocorrem úlceras (feridas). A perda de sensibilidade ao monofilamento em qualquer um dos pontos eleva o risco de úlceras nos pés. O teste é simples, rápido, barato e muito informativo. Abaixo, figura com os pontos a serem avaliados pelo médico endocrinologista.

Fonte: UpToDate OnLine


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 3 de setembro de 2020.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Avaliação oftalmológica do paciente com diabetes

Segundo a Associação Americana do Diabetes (ADA), todo paciente com diabetes deve fazer avaliações regulares da retina. A retina é a camada mais interna do olho, responsável em transformar a luz visível em impulsos nervosos que serão transmitidos ao nosso cérebro. O diabetes pode causar danos na retina, ou retinopatia, levando à perda da visão e cegueira.
A avaliação oftalmológica recomendada é a seguinte...



Diabetes mellitus tipo 1: primeira avaliação 5 anos após o diagnóstico. Se não houver sinais de retinopatia, a avaliação poderá ser refeita a cada 2 anos.

Diabetes mellitus tipo 2: primeira avaliação no momento do diagnóstico. Se não houver sinais de retinopatia, a avaliação poderá ser refeita a cada 2 anos.

Gestantes com diabetes pré-gestacional: mulheres com diabetes que engravidaram devem avaliar o fundo do olho já no primeiro trimestre da gestação. Conforme os achados, o médico oftalmologista definirá o melhor seguimento, que costuma ser feito de perto já que existe risco de progressão rápida da doença na retina durante a gravidez.


Referência:
1- American Diabetes Association. 11. Microvascular Complications and Foot Care: Standards of Medical Care in Diabetes-2020. Diabetes Care 2020; 43:S135.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 9 de agosto de 2020.

Avaliação da retina do diabetes tipo 2

Diferentemente do diabetes mellitus tipo 1, pacientes com diabetes mellitus tipo 2 já devem ser encaminhados ao médico oftalmologista para avaliação do fundo do olho no momento do diagnóstico. Diferentes estudos (figura abaixo) mostram que 10 a 20% das pessoas com diabetes tipo 2 já têm problemas na retina no momento do diagnóstico! Fica a dica...

Fonte: UpToDate OnLine




Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 9 de agosto de 2020.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Onze passos do monitoramento do paciente com diabetes mellitus

O diabetes mellitus é uma doença crônica, isto é, não tem cura. Toda doença crônica precisa ser monitorada para que se evite progressão e complicações. Os cuidados a seguir são essenciais:


1- Aconselhamento a abandonar o cigarro: todo paciente com diabetes fumante deve ser abordado em TODAS as consultas sobre os malefícios do tabaco, além de ser incentivado a abandonar este hábito.

2- Pressão arterial: deve ser medida em toda consulta e mantida abaixo de 120-130/80 mmHg.

3- Exame do fundo do olho: nos pacientes com diabetes tipo 2, deve ser feito no momento do diagnóstico. No diabetes tipo 1, cinco anos após o diagnóstico. Este exame poderá ser repetido a cada 1 ou 2 anos dependendo dos achados. Intervalos menores podem ser necessários conforme orientação do médico oftalmologista.

4- Exame dos pés: deve ser realizado anualmente. Caso se observe alguma normalidade, o exame será repetido a cada nova visita.

5- Exame odontológico: todo paciente com diabetes deve procurar o dentista pelo menos uma vez ao ano. A doença periodontal, apesar de não ser mais frequente, é mais grave no diabetes.

6- Avaliação do perfil lipídico: exames do colesterol e triglicerídeos devem ser realizados anualmente.

7- Hemoglobina glicada: um dos parâmetros mais importantes, mostra o controle da glicose do paciente com diabetes. Deve ser realizado em intervalos de 3 a 6 meses, dependendo do caso.

8- Albuminúria: o exame de urina que mostra dano inicial nos rins deve ser feito no momento do diagnóstico em pacientes diabéticos tipo 2 e cinco anos após o diagnóstico em pacientes diabéticos tipo 1. Caso esteja normal, deverá ser repetido anualmente.

9- Creatinina: a avaliação da função dos rins deve ser realizada anualmente ou com maior frequência se houver indicação.

10- Vacinação: o paciente com diabetes deve estar vacinado para pneumonia, gripe, hepatite B e tétano. É importante avaliar o calendário vacinal.

11- Educação: o aprendizado é contínuo. A cada nova consulta, dúvidas devem ser sanadas e novas habilidades ensinadas para melhorar o autocuidado e a qualidade de vida.

Referência:
1- Wexler DJ. Overview of general medical care in nonpregnant adults with diabetes mellitus. UpToDate.

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 3 de agosto de 2020.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Pipoca, uma boa pedida!

Pipoca - simples e saudável!

Em matéria de lanches rápidos, a boa e velha pipoca apresenta uma série de benefícios. Para começar, a pipoca é rica em fibras, e isto, além de ajudar no funcionamento do intestino e na saciedade, também ajuda a diminuir o risco de problemas no coração e nos vasos sanguíneos. Outra vantagem: a parte branca da pipoca é formada por um tipo de carboidrato chamado de amido resistente. Este tipo de amido é de difícil digestão, o que faz da pipoca um alimento de baixo índice glicêmico, ou seja, que eleva lentamente os níveis de glicose (açúcar) no sangue, podendo ser consumida sem maiores preocupações por pacientes com diabetes. Além disso, estudos demonstram que a pipoca concentra uma série de substâncias antioxidantes que ajudam a combater o envelhecimento celular e a fortalecer o sistema imunológico. Mas atenção! As versões para microondas costumam ter muito sal e gordura. Logo, a dica é preparar sua pipoca à moda antiga, na panela mesmo, com um fiozinho de óleo. Cuidado também para não abusar na quantidade, já que 100 gramas de pipoca têm quase 400 calorias!


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 16 de julho de 2020.

Quilos a mais podem estar associados a redução do volume cerebral

Dados de um estudo australiano evidenciaram que o excesso de peso pode estar associado à redução do volume cerebral em pessoas com mais de 60 anos. Após múltiplas análises, os pesquisadores puderam verificar que quanto maior o índice de massa corporal menor era a região hipocampal do cérebro. A atrofia do hipocampo é um marcador de perda cognitiva, isto é, pacientes com redução desta região podem desenvolver problemas de memória, no humor e demência.
Como o estudo avaliou apenas o tamanho do hipocampo, os próprios pesquisadores sugerem que mais pesquisas devam ser feitas para avaliar se ocorre disfunção desta área do sistema nervoso central com os quilos a mais.

Fonte: Medscape



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 16 de julho de 2020.

domingo, 16 de novembro de 2014

Medindo corretamente a circunferência abdominal

Circunferência abdominal ajuda a refinar a avaliação clínica

Algumas vezes o peso ou o próprio índice de massa corporal (IMC) não nos passam informações 100% confiáveis com relação aos riscos associados ao excesso de peso. Por exemplo, um rapaz que faça exercícios de musculação regularmente pode estar acima do peso pelo simples fato de possuir mais massa muscular. Nesses e em outros casos, podemos lançar mão da medida de circunferência abdominal.

Imagem: UpToDate

Medindo corretamente a circunferência abdominal

A circunferência abdominal é uma medida simples, mas que agrega informações sempre que um paciente tem IMC de até 35 kg/m². Para que esta medida seja válida, é importante que seja realizada de maneira correta. Vamos aos passos:
- a fita usada para a medida não deve ser deformável, isto é, não pode esticar.
- o paciente deve se posicionar em pé, com a coluna ereta (ver figura).
- a fita deve passar logo acima do osso do quadril e paralela ao solo (ver figura).
- a medida deve ser feita no final da expiração, isto é, após se soltar o ar dos pulmões.
Os valores considerados elevados são 102 centímetros ou mais para homens e 88 centímetros ou mais para mulheres.

Fonte: UpToDate


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 8 de julho de 2020.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Diabetes mellitus e risco de câncer

A incidência e a mortalidade por câncer são maiores em pacientes com diabetes

Alguns estudos sugerem aumento no risco de certos tipos de câncer (fígado, pâncreas, útero/endométrio, intestino grosso, mama e bexiga) em pacientes com com diabetes mellitus tipo 2, possivelmente devido a obesidade associada. Pacientes adultos com diabetes tipo 2 também têm maior chance de morrer por câncer. Uma revisão de 97 estudos, incluindo mais de 800 mil indivíduos, mostrou que pessoas com diabetes têm chance de morrer por câncer cerca de 25% maior quando comparados às sem diabetes. Além disso, o risco foi maior quanto maior o valor da hemoglobina glicada. Em outras palavras, quanto mais elevado o nível de açúcar no sangue, maior a chance de morrer por câncer.



Manter acompanhamento com o endocrinologista é fundamental para o diagnóstico precoce

Contudo, as recomendações quanto ao rastreamento do câncer nos pacientes com diabetes não são diferentes das recomendadas para qualquer outra pessoa com mesma idade e sexo.
O médico endocrinologista tem a função não só de tratar os níveis elevados de glicose, mas também de dar assistência integral ao paciente diabético, inclusive no que se refere a prevenção do câncer.

Fonte: UpToDate OnLine


Vídeo - Diabetes pode ser causa de alguns tipos de câncer.



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 8 de julho de 2020.

domingo, 19 de outubro de 2014

Regra 5210 para emagrecimento saudável

A regra 5210 consiste em 4 mudanças de hábitos para tornar a vida mais saudável e consequentemente perder peso. Deve ser rigorosamente cumpridas TODOS os dias.
  • pelo menos 5 porções de frutas e vegetais.
  • menos de 2 horas em frente de telas de TV, computador, tablets ou smartphones.
  • pelos menos 1 hora de atividade física diária.
  • nada de refrigerantes, sucos industrializados e outras bebidas com açúcar adicionado. Substituí-las por água e leite magro.
Adaptado de Medscape.



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 6 de julho de 2020.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Saúde mental é importante para quem quer emagrecer

A depressão atípica, que representa cerca de 25% de todos os casos de depressão maior, é caracterizada por aumento do apetite principalmente por doces e carboidratos, sonolência excessiva, instabilidade emocional e extrema sensibilidade à rejeição. Acomete principalmente mulheres e é comum ser diagnosticada durante a adolescência.
Sabe-se que depressão e obesidade estão associadas e uma pode piorar e perpetuar a outra. No paciente com diagnóstico de depressão atípica, o ganho de peso costuma ocorrer durante os episódios depressivos. Por este motivo, o acompanhamento psiquiátrico é muito importante, principalmente para auxiliar na escolha de fármacos que possam ajudar a baixar o peso.

Fonte: Medscape


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 28 de junho de 2020.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Ovos aparentemente não fazem mal a pacientes diabéticos

O ovo frequentemente passa de mocinho a vilão e vice-versa. Estudos populacionais não associam o consumo de ovos a problemas cardiovasculares. Contudo, ainda existe debate sobre o que seria melhor para pessoas com diabetes. Nos Estados Unidos, existe a recomendação de que o paciente com diabetes tipo 2 não deva ultrapassar a cota de 4 ovos por semana. No entanto, esta recomendação não é embasada por estudos de boa qualidade.
No último Encontro da Associação Europeia para o Estudo do Diabetes, em Viena/2014, foi apresentado um trabalho que comparou uma dieta rica com uma pobre em ovos em pacientes diabéticos ou com pré-diabetes. Cento e quarenta pacientes foram divididos em 2 grupos: o primeiro grupo deveria comer no máximo 2 ovos por semana e o segundo grupo deveria comer 2 ovos por dia no café da manhã. Ao final de 3 meses, não houve diferenças significativas entre os grupos em parâmetros metabólicos como glicose (açúcar no sangue), colesterol e triglicerídeos. Um achado interessante foi a tendência de melhores níveis de HDL (colesterol bom) entre participantes que consumiram mais ovos.
Como trata-se de um estudo pequeno e de curta duração, estes dados ainda precisam ser confirmados em populações maiores. Mas ao que parece, o consumo moderado de ovos provavelmente não prejudica os pacientes diabéticos.

Fonte: Medscape


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 28 de junho de 2020.

domingo, 12 de outubro de 2014

Como não comprar besteira no supermercado

No supermercado, assim como em qualquer outra forma de comércio, os produtos são dispostos de maneira a ficarem mais atraentes. Quem nunca foi no mercado comprar dois tomates e uma cebola e voltou pra casa com uma barra de chocolate ou outras coisas que não estavam nos planos? Pode acreditar, o comércio quebra, e muito, a cabeça para conseguir vender coisas a quem não precisa. Seguem algumas dicas para não cair nas pegadinhas e acabar levando besteiras para casa.


1- Faça uma lista.

Antes de sair de casa, faça uma lista das coisas que estão faltando. Nas prateleiras, temos uma enorme quantidade de opções que nos seduzem e distraem. Ao focar na lista, a chance de se comprar coisas desnecessárias diminui.


2- Não vá ao mercado com fome.

Para quem está querendo perder peso, o melhor horário de ir às compras é após o almoço. Existem estudos que mostram que pessoas com fome ou sede acabam enchendo o carrinho de alimentos mais calóricos.


3- Use um carrinho com tamanho proporcional a suas compras.

Vai no mercado comprar uma caixinha de leite e 2 maçãs? Pegue um cestinho, ou melhor, se conseguir carregar com as mãos, nem precisa pegar nada. Carrinhos de supermercado grandes dão a impressão de que se está comprando pouco. Ou seja, quanto maior o carrinho, maior o espaço pra colocar coisas que não se precisa dentro.


4- Circule apenas nos corredores que interessam.

Já percebeu que os supermercados organizam os produtos em corredores? Se você não tem intenção de comprar bolacha recheada, porque circular no corredor dos biscoitos?


5- Pague em dinheiro.

Antes de ir ao mercado, faça a lista, estime seus gastos e leve apenas a quantia necessária em dinheiro vivo. Assim não se corre o risco de comprar besteira e pagar com o cartão.


6- Prefira comprar em um mercado próximo a sua casa.

Comprar em um mercado da vizinhança tem algumas vantagens. Conseguimos ir a pé a qualquer hora. Isso ajuda a comprar menos e evitar estocar coisas desnecessárias em casa. Além disso, ficamos conhecendo os preços e localização dos produtos, o que torna a ida mais rápida.


No vídeo abaixo, mais informações sobre como não comprar guloseimas no supermercado.



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 21 de maio de 2020.

sábado, 11 de outubro de 2014

Quer emagrecer? Evite sucos e refrigerantes

Dados do Center of Disease Control (CDC), órgão americano parecido com o nosso Ministério da Saúde, mostram que 20 a 40% dos americanos consomem em média 150 calorias desnecessárias vindas de refrigerantes, sucos ou bebidas esportivas todos os dias. Parece óbvio, mas quem quer perder peso precisa cortar estas calorias extras. Opções para substituição não faltam! Chás, café e a boa e velha água estão aí para isso. Se houver dificuldade em cortar completamente, reduzir drasticamente o consumo também ajuda.
Durante a consulta, sempre tire suas dúvidas sobre bebidas com o médico ou nutricionista para poder optar pelas que ajudarão você a atingir seus objetivos.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 21 de maio de 2020.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Os 4 pontos básicos para emagrecer

Chamamos de 4 pontos básicos, porque todos os conhecem, mas nem todos os põem em prática. Aí vão eles!





1- Coma comida de verdade

Shakes e substitutos alimentares não são a melhor opção para quem deseja perder peso, pois dificilmente viram rotina. Produtos altamente processados também não são uma boa alternativa. O velho arroz, feijão, salada e grelhado é perfeito, especialmente se for preparado por você mesmo.


2- Cuide o tamanho das porções

Não adianta escolher certinho os alimentos e exagerar na quantidade. Não coloque as panelas na mesa. Levante-se e sirva-se calmamente, observando a quantidade correta de cada alimento.


3- Desligue a TV

A TV distrai tanto na hora de servir quanto na hora de comer. Acabamos servindo demais e comendo demais entretidos com a telinha. Não tenha TV perto da mesa de jantar. Alimentação é um momento importante. Deixe a TV para depois.


4- Sente-se para comer

Já ouviu o ditado "quem come em pé não alcança o que quer"? Quando se trata de alimentação saudável para manter o peso, ele vale muito. Pessoas que comem em pé costumam preferir alimentos menos saudáveis, além disso comem mais rápido e observam menos as quantidades a serem ingeridas.

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Emagrecimento - um passo de cada vez

Uma passo por vez

Algumas pessoas têm dificuldade em emagrecer, isto é fato. Ao contrário do que se pensa, o endocrinologista não ajuda só através dos medicamentos. Durante a consulta, médico e paciente enumeram todos os obstáculos para a perda do peso. Logo depois, os dois juntos traçam uma estratégia na qual se procura mudar o que é mais fácil primeiro. Por exemplo, se o paciente acha que é mais fácil deixar de beber refrigerante do que comer mais frutas, dá-se prioridade à primeira mudança. Em um segundo momento, após a perda inicial de peso e com o paciente mais motivado, aborda-se novamente a necessidade de comer frutas.



De grão em grão...

Pequenas mudanças, principalmente em pessoas muito acima do peso, já surtem efeito, e isso é um forte motivador! Estudos mostram que a perda de peso no primeiro mês de tratamento é o preditor mais forte de perda de peso no futuro.

Fonte: Medscape


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 14 de maio de 2020.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ajustes na alimentação fazem parte do tratamento do diabetes

Alimentação equilibrada ajuda a domar a glicose

A dieta adequada para uma pessoa com diabetes mellitus pode ser seguida por todos que buscam uma vida mais saudável, pois tem as gorduras boas dos peixes, castanhas e azeite de oliva, tem cereais integrais no lugar dos refinados, além de baixo teor de sal. Frutas, legumes e verduras devem estar presentes diariamente na alimentação de todos. A diferença é que a pessoa com diabetes deve ter um planejamento alimentar que além de suprir as necessidades calóricas sem causar aumento de peso, também tenha as porções fracionadas para evitar períodos prolongados de jejum, que podem ser causa de hipoglicemias.



Individualização é a chave do sucesso

Para um planejamento alimentar eficiente, são necessários uma avaliação física e comportamental, além de exames laboratoriais. Desta maneira fica mais fácil orientar uma rotina saudável, com alimentos e exercícios físicos na medida certa. O paciente com diabetes deve ter o compromisso de comer conforme o plano alimentar, dando atenção às quantidades e aos horários recomendados, além de fazer uso correto da medicação prescrita.


Comer um pouquinho, várias vezes ao dia

Refeições fracionadas, isto é, em intervalos de no máximo 3 horas devem ser preferidas pela maioria dos pacientes com diabetes especialmente pelos que usam insulina ou comprimidos que possam causar hipoglicemia. Além de evitar queda da glicose, comer pequenas porções várias vezes ao dia traz saciedade e auxilia no controle do peso.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 11 de maio de 2020.

domingo, 28 de setembro de 2014

Indústria de refrigerantes promete reduzir calorias

No final do mês de setembro de 2014, as três maiores indústrias de refrigerantes dos Estados Unidos (Coca-Cola Co, PepsiCo Inc e Dr. Pepper Snapple Group Inc) anunciaram que pretendem reduzir em até 20% a quantidade de calorias dos seus produtos até o ano de 2025. Segundo as empresas, a ideia é oferecer opções de bebidas com menor densidade calórica e campanhas educativas para que a população possa fazer melhores escolhas.
Apesar da meta estar aquém do esperado, em níveis populacionais, através de pequenas mudanças já conseguimos grandes impactos.
Aguardemos políticas assim para o Brasil também!

Fonte: Medscape


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

domingo, 21 de setembro de 2014

Malefícios da dieta sem glúten

Sai glúten, saem outros nutrientes importantes também!

A exclusão completa de nutrientes da dieta é algo que pode trazer mais prejuízos que benefícios à saúde. O glúten, proteína encontrada em cereais como trigo, aveia e cevada, vem sendo incorretamente incriminado por problemas como obesidade e excluído do cardápio de muita gente que não precisaria restringi-lo. Doença celíaca, sensibilidade não celíaca ao glúten e alergia são pouco frequentes e devem ser devidamente diagnosticadas por um médico antes que se indique uma dieta livre de glúten. Pessoas que eliminam as fontes de glúten por conta própria podem ter impacto negativo no aporte energético, de fibras e de vitaminas do complexo B.



Alimentos glúten-free podem custar mais caro

Desde que os supostos malefícios do glúten começaram a ser bradados aos quatro ventos em 2010, as empresas que vendem alimentos glúten-free vem apresentando expansão de 30 a 40% ao ano. Nos Estados Unidos o setor já movimenta 5 bilhões de dólares por ano! Interessante, não? Ao que parece, tem gente ganhando muito dinheiro vendendo alimentos supostamente mais saudáveis a quem não precisaria consumi-los se não pertencesse a cerca de 1% da população que realmente tem intolerância ao glúten. Pense nisso quando for trocar seu pãozinho integral de custo acessível pelo alimento glúten-free bem mais caro.

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 2 de maio de 2020.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Potássio para baixar a pressão

Tão importante quando reduzir a ingestão de sódio é aumentar o consumo de potássio. Segundo a Organização Mundial da Saúde, deveríamos consumir cerca de 4,7 gramas de potássio por dia.  Contudo, a média do brasileiro é de apenas 2,3 gramas. Uma extensa revisão publicada em 2013 na revista BMJ mostrou que aumentar o consumo de potássio é capaz de reduzir tanto a pressão sistólica quanto a diastólica em pacientes hipertensos e consequentemente o risco de isquemias (AVCs).
Mas em quais alimentos encontramos o potássio? Nas frutas e vegetais, principalmente.


Segue uma lista de 10 alimentos ricos em potássio.

1- Manga palmer - 785 mg por unidade
2- Extrato de tomate - 680 mg por 100 g
3- Banana-nanica - 564 mg por unidade
4- Milho - 555 mg por espiga
5- Romã - 485 mg por unidade
6- Mamão papaia - 352 mg por unidade
7- Goiaba - 336 mg por unidade
8- Água de coco - 324 mg por copo de 200 mL
9- Aveia em flocos -216 mg por 3 colheres de sopa
10- Abacate - 206 mg em 1/4 de unidade

Fontes: Medscape e revista Saúde É Vital

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br
Texto revisado em 2 de maio de 2020.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Adoçantes podem estar associados a aumento da glicose

Pode parecer contraditório a primeira vista, mas estudo publicado recentemente na revista Nature, uma das publicações científicas mais respeitadas do mundo, apresentou dados que põem aspartame, sucralose e sacarina no banco dos réus. "Nós percebemos que os adoçantes artificiais podem causar aumento dos níveis de açúcar no sangue, coisa que queremos prevenir quando os consumimos", afirmou o pesquisador israelense Eran Elinav, que participou do estudo.
Aparentemente os adoçantes alteram a flora intestinal, isto é, propiciam que bactérias deletérias se proliferem dentro do intestino. Estes microrganismos participam da digestão fornecendo calorias extras através de ácidos graxos de cadeias curtas. Isto pode culminar em níveis elevados de açúcar no sangue.
Como os resultados são preliminares e em modelos, estudos maiores realizados em seres humanos precisam ser conduzidos antes que se possa dizer que não devemos consumir adoçantes. De qualquer forma, fica o alerta, já que outros estudos mostraram que o consumo regular de refrigerantes mesmo nas versões diet, light ou zero está associado a aumento no risco de se desenvolver diabetes.
Fonte: Medscape



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

sábado, 16 de agosto de 2014

Quanto maior o peso, maior o risco de câncer

Pesquisadores ingleses recentemente publicaram na revista Lancet o maior estudo já realizado até o momento sobre excesso de peso e risco de câncer. Dados de mais de 5 milhões de pacientes maiores de 16 anos foram avaliados. O período de acompanhamento foi de 7 anos e meio, em média. Segundo os pesquisadores, 17 dos 22 tipos de câncer avaliados foram mais frequentes em pessoas acima do peso. 

Abaixo, a lista como os 10 tipos de câncer mais frequentes em quem estava acima do peso.

1- útero
2- vesícula biliar
3- rim
4- fígado
5- colo do útero
6- intestino grosso
7- tireoide
8- leucemia
9- ovário
10- mama

Fonte: Medscape



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

2 em cada 5 americanos desenvolverá diabetes

Segundo dados publicados na revista Lancet pelo CDC, órgão americano parecido com nosso Ministério da Saúde, cerca de 40% dos americanos desenvolverá diabetes mellitus tipo 2 em algum momento de suas vidas. Estes números preocupantes devem-se basicamente a dois fatores: obesidade e aumento da expectativa de vida. Isto é, quanto mais tempo uma pessoa estiver acima do peso, maior a chance dela vir a desenvolver diabetes.

Fonte: Medscape


Dr. Mateus Dornelles Severo
 Médico Endocrinologista
Doutor em Endocrinologia
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Sementes oleaginosas ajudam a domar o diabetes

Apenas um punhado por dia

Mais um estudo sobre sementes oleaginosas mostrou benefício no controle do açúcar em pacientes com diabetes. Pesquisadores canadenses publicaram no final do mês de julho de 2014 uma revisão de 11 estudos com um total de 450 pacientes. O consumo de cerca de 50 gramas por dia de castanhas, nozes, pistaches, amêndoas ou avelãs ajudou a baixar significativamente tanto a glicemia em jejum quanto a hemoglobina glicada. Outros benefícios relatados foram diminuição do colesterol LDL (ruim) e dos triglicerídeos, aumento do colesterol HDL (bom) e diminuição da pressão arterial.



Alto valor nutricional pode explicar efeitos benéficos

Aparentemente, os benefícios se devem aos ácidos graxos polinsaturados (gorduras boas), fibras, vitaminas e antioxidantes presentes nestas oleaginosas. Contudo, como são bastante calóricas, os autores do estudo sugerem que elas substituam carboidratos refinados, como pão branco, ou proteínas de origem animal, como a carne vermelha, na dieta.


Vale a pena investir!

Como o número de pacientes foi pequeno e a duração do acompanhamento, limitada, estudos maiores são necessários para avaliar desfechos como diminuição de doenças no coração e vasculares. No entanto, consumir nozes e castanhas desde já é potencialmente muito benéfico para quem tem diabetes.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Cinco porções por dia de frutas ou vegetais

Cinco porções para viver mais!



Pesquisadores de Harvard publicaram recentemente o resultado de uma extensa revisão da literatura médica que procurou saber quantas porções de frutas ou verduras são suficientes para reduzir mortes. Estudos desde a década de 1950 foram considerados desde que apresentassem dados sobre mortalidade total, por doenças cardíacas ou por câncer. Segundo os autores, cada porção de fruta ou vegetais diminui o risco de morte entre 4 e 8 porcento até o total de 5 porções. Isto é, comer 5 ou mais porções de frutas ou vegetais todos os dias, cerca de 400 gramas, reduz o risco de morrer em 26 por cento. Um ótimo motivo para começar a ter melhores hábitos alimentares: viver mais!

Fonte:
Medscape


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 1 de maio de 2020.

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Como calcular o IMC (índice de massa corporal)

O cálculo do IMC é muito simples. Basta dividir o peso pelo quadrado da altura, como mostra a fórmula a seguir:

IMC = peso (kg) / altura (m) x altura (m)

Exemplo:

Qual o IMC de uma mulher com 65 kg e 1,53 m de altura? O peso dela é excessivo?

IMC = 65 / 1,53 x 1,53
IMC = 65 / 2,34
IMC = 27,77 kg/m2 (ou seja, sobrepeso)




Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 26 de abril de 2020.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Sintomas do hipotireoidismo


A falta dos hormônios tireoidianos lentifica o metabolismo e leva a uma série de sinais e sintomas. Os mais frequentes são:
- bócio (aumento do tamanho da tireoide)
- cansaço
- lentidão
- frio excessivo
- inchaço nos olhos
- dificuldade em se exercitar
- rouquidão
- apneia do sono
- constipação
- irregularidades menstruais

Alguns vídeos interessantes sobre hipotireoidismo do meu canal no YouTube.

1- HIPOTIREOIDISMO e APARELHO DIGESTIVO



2- HIPOTIREOIDISMO e PELE



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 26 de março de 2020.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Aplicando a insulina corretamente

Não basta saber qual a dosagem de insulina. É muito importante saber aplica-lá corretamente. Independente do dispositivo usado, caneta ou seringa, siga os passos a seguir:

1- escolha uma das áreas possíveis para a injeção. Como a insulina é absorvida mais rapidamente na região abdominal do que nas coxas e nádegas, prefira a barriga sempre que for usar insulina de ação rápida. Nos braços, a insulina é absorvida em uma velocidade intermediária.

Locais para aplicação da insulina

2- não é necessário limpar a pele com álcool. Isso torna a injeção mais dolorosa, além de não prevenir infecções.

3- pince a pele entre os dedos e insira a agulha em ângulo de 90 graus com pele. Isso garante que a insulina seja administrada no tecido subcutâneo. A técnica incorreta pode fazer com que a insulina seja aplicada dentro do músculo ou dentro da derme, o que pode ser doloroso e causar problemas de absorção.

A agulha deve entrar em  ângulo reto para que a insulina seja depositada no tecido subcutâneo

4- caso esteja usando uma seringa, puxe levemente o êmbolo e observe se houve refluxo de sangue. Se sim, retire a agulhe e repita o processo em outro lugar.

5- no momento da injeção, empurre o êmbolo até o fundo e conte 3 a 5 segundos. Isso serve para garantir que a insulina tenha tempo de ser injetada, principalmente quando se utilizar agulhas muito finas.

Dr. Mateus Dornelles Severo
 Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 2 de fevereiro de 2020.

domingo, 3 de agosto de 2014

Qual a melhor maneira de aplicar insulina: seringa ou caneta?

Quem vence o embate entre canetas e seringas? Veja a seguir...

Vantagens das canetas:
1- insulina e método de injeção no mesmo dispositivo.
2- facilidade de transportar e manusear, principalmente no caso de crianças e idosos.
3- maior conforto devido a agulhas mais curtas e mais finas.
4- menos chance de erro na dose, principalmente em doses pequenas.

Caneta para aplicação de insulina

Vantagens das seringas:
1- baixo custo.
2- possibilidade de misturar as insulinas em alguns casos.

Seringa para aplicação de insulina
Como podemos ver, as canetas ganham de goleada!

Para maiores informações sobre insulinas, clique no link a seguir.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisando em 16 de janeiro de 2020.

sábado, 2 de agosto de 2014

Demanda por endocrinologistas aumentando nos Estados Unidos

Na última semana do mês de julho de 2014, o Center for Disease Control and Prevention's, órgão americano similar ao nosso Ministério da Saúde, divulgou dados no mínimo preocupantes. Entre 2005 e 2010, o aumento da prevalência de diabetes vez o número de consultas por essa doença aumentar em 20 porcento. Em outros números, os pacientes diabéticos gastam 2,3 vezes mais que os pacientes não diabéticos com serviços de saúde, valor estimado em 245 bilhões de dólares por ano!
Ter hábitos saudáveis além de prevenir diabetes, ajuda a economizar dinheiro. Fica a dica.

Fonte: Medscape



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

quarta-feira, 30 de julho de 2014

O que causa o diabetes mellitus tipo 2?

O diabetes mellitus tipo 2 é uma doença dita multifatorial. Isto é, não tem uma causa única, mas sim um conjunto de fatores que se somam para aumentar a chance da glicose subir.
São fatores de risco para o diabetes mellitus tipo 2:
- aumento da idade
- etnia (negros têm o risco maior que os brancos)
- história de diabetes mellitus nos familiares
- excesso de peso, principalmente se a barriga for grande
- falta de atividade física
- fumo
- alimentação inadequada, com excesso de produtos industrializados e poucos cereais integrais, frutas e verduras

Glicosímetro: aparelho para verificar os níveis de glicose

No vídeo abaixo, explico as principais diferenças entre diabetes tipo 1 e tipo 2.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS

Texto revisado em 10 de novembro de 2019.

domingo, 27 de julho de 2014

Ajudando seu filho a perder peso

Quer ajudar seu filho a perder peso? Aí vão 3 dicas!
1- dê o exemplo. Tenha uma alimentação equilibrada e oriente os bons hábitos ao seu filho.
2- nunca use apelidos como "gordinha" ou "fofinho". São pejorativos e prejudicam a autoestima.
3- explique o porquê. Criança gosta de saber porque o tomate é mais saudável que a batata frita. Ressalte os benefícios sem apelar para o papel na perda do peso.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 16 de janeiro de 2020.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Cozinhe com seu filho

Uma pesquisa realizada na Suíça observou que crianças entre 6 e 11 anos de idade que ajudaram os pais na cozinha comeram 76% mais salada e 27% mais frango quando comparadas às que ficavam apenas brincando. Trazer os filhos para ajudar a cozinhar, além de aproximar as famílias, pode ser uma ótima oportunidade para criar hábitos saudáveis.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 11 de novembro de 2019.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Lendo rótulos de produtos industrializados

Nem todo doce industrializado é ruim. Para conseguir separar o joio do trigo, aprenda a ler os rótulos. Nesta foto, um exemplo prático. Na lista de ingredientes desta geleia de frutas vermelhas, vemos como primeiros ingredientes morango, amora e framboesa. Isso quer dizer que são os ingredientes predominantes. Além disso, a lista de ingredientes é pequena e não contém açúcar, corantes, conservantes, aromatizantes, estabilizastes ou espessantes. Por fim, na tabela nutricional, podemos ver que a porção tem valor calórico baixo. Demora um pouquinho pra aprender e se perde um pouco mais de tempo no supermercado, mas, para quem quer e precisa se alimentar corretamente, vale a pena!

Rótulo de produto industrializado

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 3 de novembro de 2019.

sábado, 5 de julho de 2014

Cuidado com a pegadinha do pão integral!

Os itens que compõem um alimento são listados em ordem decrescente no rótulo do produto. Ou seja, o primeiro ingrediente é o que apresenta maior quantidade, e assim sucessivamente. Contudo, até hoje a Anvisa, que é responsável pela fiscalização dos alimentos no Brasil, não determinou quanto de farinha integral é necessário para que o pão possa estampar no rótulo a palavra "integral".
Agora vem a dica: se na relação dos ingredientes o primeiro item for "farinha de trigo refinada ou enriquecida com ferro e ácido fólico", esse pão foi feito com mais farinha branca do que integral. Sempre leia o rótulo para não se deixar enganar.


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 16 de janeiro de 2020.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Doenças endocrinológicas podem ser causa de pressão alta

Você sabia que algumas doenças hormonais podem ser causa de pressão alta?
Excesso de produção de cortisol, aldosterona ou metanefrinas pelas glândulas adrenais pode ser causa de hipertensão secundária.
Além disso, hipotireoidismo, hipertireoidismo e hiperparatireoidismo também podem elevar a pressão arterial.

Tireoide e paratireoides
Glândulas adrenais

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Conteúdo revisado em 17 de setembro de 2019.

domingo, 29 de junho de 2014

Mudanças no estilo de vida para baixar a pressão arterial

Todo o paciente hipertenso, independentemente de estar tomando remédios, deve fazer algumas mudanças nos seus hábitos como parte do tratamento para pressão alta.

Segue uma lista com as principais intervenções não farmacológicas e seus respectivos efeitos sobre a pressão arterial sistólica.

1- manter o peso dentro do normal (IMC entre 18,5 e 24,9 kg/m2): redução de 5 a 20 mmHg a cada 10 kg de peso.

2- consumir dieta rica em frutas, vegetais, derivados lácteos desnatados e pouca gordura saturada: redução de 8 a 14 mmHg.

3- limitar a ingestão de sal a no máximo 6 gramas por dia: redução de 2 a 8 mmHg.

4- começar a praticar atividades físicas aeróbicas, como 30 minutos de caminhada, na maioria dos dias da semana: redução de 4 a 9 mmHg.

5- se homem, não beber mais do que 2 doses de álcool por dia; se mulher, não mais do que 1 dose: redução de 2 a 4 mmHg.



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

Texto revisado em 9 de setembro de 2019.

sábado, 28 de junho de 2014

Um em cada quatro brasileiros é hipertenso

Já verificou sua pressão em 2014?
Segundo dados recentes do Ministério da Saúde, 1 em cada 4 brasileiros é hipertenso, sendo os idosos os mais afetados.
Hábitos de vida inadequados, caracterizados por alimentação inapropriada, sedentarismo e, consequentemente, obesidade, são a principal causa do problema.
Meça sua pressão e procure ter uma vida mais saudável. Seu coração agradece!


Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS
https://drmateusendocrino.com.br

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Lanchinho com amêndoas e pistaches ajuda a prevenir o diabetes mellitus tipo 2

No final do mês de maio de 2014, pesquisadores espanhóis e americanos apresentaram resultados de dois estudos no Congresso Europeu de Obesidade. Em ambos os estudos, pacientes obesos e com altos níveis de glicose (açúcar) no sangue foram divididos em grupos que consumiam ou grupos que não consumiam amêndoas ou pistaches. Após um período de consumo que variou de um mês para as amêndoas e quatro meses para os pistaches, os pacientes que consumiram essas oleaginosas apresentaram queda significativa nos níveis de glicose.
Duas dicas importantes se você pretende começar a consumir pistaches e amêndoas:
1 - ambas são bastante calóricas, logo não abuse na quantidade. Nestes 2 estudos, a porções eram de cerca de 40 gramas por dia.
2- procure consumi-las entre as refeições, na forma de lanche. Por serem oleaginosas, amêndoas e pistaches ajudam na saciedade.



Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista titulado pela SBEM
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CREMERS 30.576 - RQE 22.991
Santa Maria - RS